A importância da atividade física para deficientes físicos

paratleta

 

Fisioterapeuta e profissional de educação física, professores do Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE), explicam sobre os benefícios dos exercícios na qualidade de vida de quem tem alguma limitação motora

11 de outubro é o Dia da Pessoa com Deficiência Física, uma data para debater sobre a importância da acessibilidade e inclusão social. Profissionais de saúde também aproveitam o dia para lembrar sobre a importância da prática de atividades físicas para essas pessoas, já que muitos, por possuir algum tipo de limitação motora, acabam achando que sedentarismo é consequência. Segundo o professor do núcleo de pós-graduação em Educação Física do Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE) *Humberto Gomes, não se mexer pode até acentuar ainda mais os efeitos da limitação motora.

Ariosvaldo Silva, o Parré, durante prova dos 100 metros nas Paraolimpíadas de Londres.
07/09/2012 –  Sergio Dutti

“O paralítico, como um dos exemplos, passa maior parte do tempo sentado, logo a circulação sanguínea para os membros inferiores pode ficar comprometida, acentuando os riscos de doenças vasculares, o que pode acentuar os riscos de doenças cardiovasculares”. Segundo o professor, outro aspecto a destacar é que em muitos casos o aumento do peso corporal pode ser observado, levando a efeitos deletérios ocasionados pelo sobrepeso e obesidade, como elevação dos níveis de colesterol LDL (ruim), aumento da glicemia (açúcar no sangue) e dores articulares.

Entre os comprometimentos ocasionados pelo sedentarismo é que, a depender da deficiência física, observa-se um desequilíbrio corporal (desalinhamento), situação observada em algumas patologias. “Nesse caso, pode haver o desenvolvimento de doenças relacionadas ao sistema osteomioarticular, que engloba os ossos, músculos e articulações) levando, geralmente, a dores lombares. Assim, o recomendado fortalecimento da musculatura dos membros superiores e região do tronco, denominada mais atualmente como CORE, são estratégias que devem ser adotadas”, explica Humberto.

O professor do IDE lembra ainda que, em se tratando de deficiências cognitivas, relacionadas principalmente ao processo de aprendizagem, o sedentarismo mostra-se mais prejudicial ao processo de formação e fortalecimento das relações interpessoais. Por isso, o ideal seria que o deficiente físico fosse acompanhado por uma equipe multidisciplinar, incluindo médico, fisioterapeuta, nutricionista, psicólogo e profissional de educação física para que esses profissionais possam buscar e discutir as diferentes formas de intervenção.

“Entre as atividades realizadas por um profissional de Educação Física que podem ajudar a melhor a qualidade de vida do paciente, atividades lúdicas, recreativas, esportivas e atividade física de alto rendimento, como o Brasil vem se destacando como potência paraolímpica”, esclarece o professor do IDE. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estima-se que o Brasil tem 6,2% de sua população com algum tipo de deficiência.

As políticas públicas de inclusão no país ainda são precárias, e as cidades estão longe de uma acessibilidade ideal. Mas a dica do professor é que a pessoa busque, primeiramente, a superação em diferentes dimensões, como comportamental, emocional e física entre outras. “Assim, o exercício físico surge para muitos deficientes como um suporte, principalmente para os que ficaram deficientes após um acidente”.

Já a fisioterapia, outra grande aliada, vem para harmonizar os músculos e articulações, com o objetivo de tornar o movimento o mais funcional possível, segunda conta a coordenadora da pós-graduação em fisioterapia neurofuncional do Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE), **Adriana Maciel. “Costumo dizer que todo tratamento tem que ter começo, meio e fim. E no caso dos pacientes neurológicos, mesmo quando as metas funcionais são atingidas, é interessante que o paciente passe por revisões mensais, apenas para acompanhamento, mas sempre na dependência do tipo de patologia apresentada”.

Segundo a fisioterapeuta, movimento é vida. “Portanto, movimente-se bastante, nas mínimas atividades da vida diária, respeitando, claro, as limitações de cada um. Além disso, lembro de aliar com uma alimentação saudável para uma saúde e bem-estar”. Para profissionais interessados em aprofundar sobre o tema, o Instituto de Desenvolvimento Educacional, com sede no Pina (Recife), em parceria com a Faculdade Redentor, conta com pós-graduação nas áreas de fisioterapia e Educação Física. Mais informações: (81) 3465.0002, 0800 081 3256 e www.idecursos.com.br.

 

*Humberto Gomes é professor do núcleo de pós-graduação em Educação Física do Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE). Tem especialização em Avaliação da Performance Humana e é mestre em Educação Física

 **Adriana Maciel é coordenadora da pós-graduação em fisioterapia neurofuncional do Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE). Tem especialização em fisiologia do exercício físico e é mestre em saúde da criança e do adolescente. É ainda especialista no método de reeducação postural global com formação em patologias cervicais, escoliose e radiologia e tem especialização no método sohier (fisioterapia analítica). 

 

SOBRE O IDE – Desde 2006, o IDE é uma instituição especializada em cursos de extensão e pós-graduação na área de saúde, com mais de 120 cursos nas áreas de medicina, enfermagem, farmácia, fisioterapia, nutrição, educação física, psicologia e fonoaudiologia. Com matriz no Recife e atuação no interior de Pernambuco, como Caruaru, Garanhuns e Petrolina, tem unidades também espalhas por vários estados do Norte e Nordeste, como Pará, Ceará, Bahia, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. Possui cerca de 5.500 alunos matriculados e 200 turmas abertas, sendo a maior estrutura física, administrativa e pedagógica do Nordeste voltada exclusivamente para cursos de pós-graduação em saúde. Mais informações: (81) 3465.0002, 0800 081 3256 e www.idecursos.com.br.

 

Leia também: