A importância da fisioterapia no tratamento pós-covid

Tanto no ambiente hospitalar quanto no domiciliar, a fisioterapia tem uma importância essencial no tratamento da covid. Seja em casos graves ou leves com os pacientes em internação, ou no pós-covid, os profissionais dessa área têm intensificado o trabalho para que os pacientes evoluam e vençam a batalha contra o coronavírus.

Com o objetivo de recuperação  físico-funcional, a fisioterapia atua em cada caso, respeitando a necessidade do paciente. “A fisioterapia com todo o arsenal terapêutico que dispõe, intervindo precocemente nos pacientes com covid ativa, consegue minimizar as perdas funcionais futuras e as sequelas dos pacientes”, explica a coordenadora do curso de Fisioterapia da UniFBV, Mariana Veloso.

De acordo com a fisioterapeuta, o tratamento de pacientes internados com a covid conta com procedimentos e técnicas diferentes desde mobilização no leito, higiene brônquica, exercícios respiratórios ao manejo do suporte ventilatório.

E o pós-covid? Tem se percebido uma variação, em muitos casos, de sequelas apresentadas, que devem ser tratadas de maneira individual com o objetivo de devolver a recuperação funcional completa. “Se o paciente apresentar fraqueza muscular difusa dos músculos estriados esqueléticos, a fisioterapia irá, através de exercícios específicos, recuperar a força da pessoa. Se o comprometimento for pneumofuncional, a fisioterapia irá realizar exercícios pulmonares para recuperação dos volumes e capacidades pulmonares, etc”, exemplifica Mariana.

A fisioterapeuta afirma que o tratamento  atua no todo do paciente, a depender da sua avaliação e qual área será trabalhada. “O resultado é uma melhora funcional do paciente, devolvendo-o para as suas atividades cotidianas e laborais e devolvendo qualidade de vida”.

O UniFBV atua, com a sua clínica-escola, junto com os alunos do curso de Fisioterapia em comunidades, atendendo pessoas de baixa renda. Com isso, o auxilia na recuperação funcional dos pacientes com sequelas motoras em decorrência da COVID-19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *