Brasileiros pretendem viajar já no final do ano, diz pesquisa

 

37,8% dos brasileiros pretendem viajar nos próximos 12 meses, e 55,4% preferem um destino nacional

 

Privado de viagens durante a pandemia, o brasileiro pretende viajar em breve. Mas, quais são seus destinos? E quais as medidas de segurança que vai priorizar das companhias aéreas e hotéis? Em estudo realizado em formato digital com mais de 1.300 brasileiros, sendo 61% mulheres e 39% homens, entre os dias 21 e 25 de julho, a Hibou, empresa de pesquisa e monitoramento de mercado, em parceria com a VPNY (Vou para New York) observou o comportamento das pessoas sobre viagens futuras.

Quase 4 entre 10 brasileiros disseram que pretendem viajar até agosto de 2021 (37,8%), já para 3 em cada 10 entrevistados, a vontade existe, porém não vão viajar (29,5%). Para 20,7% viagens ainda não estão decididas, e apenas 12% não querem, e nem pretendem tão cedo.

Para o Brasil ou para o exterior? Os destinos nacionais são os favoritos para pós-pandemia. 55,4% desejam viajar pelo país. 26,8% inclusive dentro de seus próprios estados de residência. Quando o assunto é viajar para fora, 16,9% desejam Europa, 8,9% América do Norte, 5,5% América Latina, 2,6% Oceania, 2% África e 1,7% Ásia. 8,8% não sabem ainda, e 2,6% outros locais.

“A viagem nacional volta ao cenário com força, pois muitos trajetos serão realizados de carro o que dá ao viajante a responsabilidade dos cuidados de higiene até chegar ao destino desejado.”, comenta Ligia Mello, sócia da Hibou.

70% dos entrevistados gostaria de viajar com suas famílias e parceiros. Apenas 10,27% com amigos, 8,91% sozinho, 7,78% sozinha/o com os filhos.

Na hora de planejar uma viagem, mais de 54% dos brasileiros consideram a estação do ano, ou seja, o clima do local como fator determinante para a escolha do destino. Para quase metade, 43,6%, o orçamento é relevante, já a forma de pagamento impacta para 39,6%, 35,9% prefere que no roteiro caiba tudo que deseja conhecer naquele local, e apenas 33,2% levam em conta pacotes promocionais.

A maioria dos brasileiros se programa com antecedência para que a viagem ocorra como gostariam, 37,9% se programam entre 3 e 6 meses. 23,8% um ano antes. 19,3% entre 1 e 3 meses, 12.2% um mês antes, 4,2% mais de um ano antes, e 2,6% não gostam de viajar.

O tempo de viagem ideal médio segundo apontado pelo estudo é de 11 dias, com máximo de 90 dias e mínimo de 4 dias.

Mesmo sendo o sonho de consumo de muitos hoje em dia, existem preocupações inerentes a uma viagem no mundo atual e o que mais preocupa os brasileiros é o risco de contaminação (50%), seguido de problemas econômicos pessoais (33,5%), possibilidade de uma segunda onda do covid-19 (32,3%), a não garantia da higiene dos transportes, manuseio das malas, aeroportos (21,2%), ou ainda, por conta da pandemia, encontrar pontos turísticos fechados (14%). Por isso, para se hospedarem, os brasileiros se sentem mais seguros em hotéis de rede (44%). Outras opções são: (12%) hotéis independentes, (13%) casa de parentes, (18%) casa ou quarto de temporada, (9%) aluguel de imóvel via app, e apenas 3% hostel.

Entre os protocolos de biossegurança os 5 mais importantes na visão dos entrevistados são: 79,5% uso de máscaras por toda a equipe de atendimento dos locais e serviços. 69,4% obrigatório kit de higiene com álcool em gel. 58% desejam restaurantes sem aglomeração.55.9% disseram carros higienizados a cada viagem para transfer ou deslocamentos.54,3% querem bagagens higienizadas pelas companhias na chegada ao destino do passageiro.

Outros itens como individualização dos alimentos nos aviões, transações digitais evitando o uso do papel e separadores de acrílico, lista entre os demais itens desejados pelos brasileiros quando estiverem de viagem. Vale ressaltar que para viagens internacionais a disponibilização de um suporte em português no caso de sintomas do covid19 é desejado por 35,9%.

7 em cada 10 brasileiros não tinham viagens a desmarcar, e apenas 1,5% dos entrevistados viajou conforme havia planejado durante a pandemia. Os demais se viram adiando (10,3%) ou desmarcando por completo (15,9%) seus planos no período.

Já quando o assunto é a volta da normalidade os horizontes estão mais distantes que o desejo. Apesar do volume em torno da virada do ano, 27% acredita que as viagens nacionais só devem se normalizar após julho de 2021, e este número sobe para 39% falando das viagens internacionais.

“O brasileiro pretende viajar já à partir de Dezembro de 2020, e Janeiro de 2021 para destinos nacionais, ou seja, o pensamento de entrar em 2021 com novos ares já está na cabeça do brasileiro.” complementa Ligia Mello, responsável pela pesquisa e fundadora da Hibou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *