Covid-19 pode trazer sintomas dermatológicos?

 

A médica Dra Ana Carina Junqueira esclarece algumas dúvidas sobre o assunto e aponta o que já foi observado até o momento

Atualmente, alguns estudos mostram algumas manifestações do novo Coronavírus na pele, porém, nenhum deles apresentou resultados conclusivos. Ainda assim, há evidências advindas de casos da Europa, dos EUA e da China em que, lesões na pele poderiam ser um sintoma da infecção por COVID-19. “Os relatos são poucos e não constituem uma informação sólida que permita afirmar essa associação. É preciso de uma melhor evidência cientifica para comprovar”, explica a Dra. Ana Carina Junqueira, médica que atua em dermatologia há mais de 15 anos, fellow do Departamento de Dermatologia da universidade de Minnesota e CEO do IBEMC – Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisa em Medicina Capilar.

Para entender melhor o cenário, a médica analisou alguns dados, entre eles, a porcentagem de pessoas que apresentaram o sintoma, que é extremamente variável. Segundo ela, um estudo chinês apontou que 1,8% das pessoas infectadas pelo vírus apresentaram algum tipo de mancha na pele, enquanto uma pesquisa da Itália teve índices de 20,4%.

Essas manchas podem ser dividias em cinco subtipos:

– Vermelhidão e inchaço nas pontas dos dedos (tipo eritema pernio);
– Pequenas bolinhas de água (vesículas) no tronco e em membros;
– Lesões rosadas e elevadas pelo corpo (urticariforme);
– Lesões vermelho-rosadas, algumas com descamação, pelo corpo todo (erupção maculopapular);
– Aparência rosada com áreas esbranquiçadas ou áreas enegrecidas, principalmente em extremidades (livedo ou necrose).

Ainda não se sabe ao certo se essas lesões são causadas mesmo pelo novo Coronavírus, no entanto, se essa hipótese for confirmada, há dois mecanismos de ação possivelmente responsáveis por provocá-las. “Podemos destacar a replicação viral, que causa resposta inflamatória na pele, e a inflamação e obstrução dos vasos (vasculite e vasculopatia trombótica) da pele, que pode gerar as manchas”, explica dra Ana Carina.

As pesquisas ainda mostraram que as manchas na pele costumam aparecer no decorrer da doença, ou seja, após os sintomas respiratórios se iniciarem. De acordo com os casos relatados, a presença de lesões cutâneas em pacientes com COVID-19 não evidenciou relação com uma evolução grave da doença. “O mais importante nesse momento é ficar atento aos sintomas e procurar ajuda de um especialista, pois qualquer alteração na pele merece uma investigação mais aprofundada”, conclui a médica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *