Encerramento do Janeiro de Grandes Espetáculos tem Diva Menner e Prêmio JGE Copergás

Foram 22 dias, 48 espetáculos, 14 debates, centenas de artistas e profissionais da arte envolvidos, milhares de pessoas conectadas. A arte, como sempre, venceu. O 27º Janeiro de Grandes Espetáculos, este ano numa versão que contemplou o virtual e o presencial, evidenciou a representatividade territorial, cultural e de gênero e ganhou vida sob a alcunha de JGE Conecta, chega ao fim como começou: valorizando a resistência de quem se reinventou durante este difícil cenário em que estamos vivendo. Nesta quinta-feira (28), às 19h, ao vivo e de graça, direto de um Teatro do Parque sem público, mas exibido para o mundo através do Youtube do festival, esta edição do JGE fecha suas cortinas com lindas apresentações musicais.
Diva Menner, primeira mulher trans a participar do The Voice Brasil (Globo), fará um tributo a Elza Soares acompanhada de seu pianista, o maestro Junior Caruaru. A recifense foi semifinalista do programa e a artista mais votada pelo público em todas as suas apresentações no reality. Também sobe ao palco Adam Marec, violonista da Eslováquia que divide a cena com o violinista conterrâneo Miroslav Baloga e promove uma grande celebração à música ao lado de artistas pernambucanos: Betto do Bandolim, Vinicius Sarmento (violão), Racine Cerqueira (violão), Rafael Felipe (bateria), Lígia Miranda (voz), Hélio Silva (contrabaixo), além de Zasha Greige (violino, da Venezuela). É a Festa Eslovaco-Pernambucana. Roteiro e direção artística do evento é de Paulo de Pontes. Iris Macedo assina a direção da live.
Na cerimônia de encerramento, que será apresentada pela atriz Luciana Cavalcanti e terá tradução simultânea em Libras, o aguardado Prêmio JGE Copergás de Teatro, Dança, Circo e Música de Pernambuco chega diferente. Ampliando horizontes e celebrando iniciativas além da grade do festival, o troféu será entregue a 20 pessoas, projetos, instituições, iniciativas, movimentos culturais, sociais e políticos que se destacaram ao longo do ano de 2020.
Mensagens do público enviadas pelo Instagram servirão de cenário para o evento. E o novo conselho consultivo do festival, núcleo que auxilia nas decisões de temas de ordem estratégica, política e artística, tomará posse remotamente. Uma noite para ser lembrada como a renovação da esperança por dias melhores – e por muita arte, em qualquer que seja o tempo.
PRÊMIO JGE COPERGÁS – A comissão de seleção do Prêmio JGE Copergás de Teatro, Dança, Circo e Música de Pernambuco, representativa da cadeia produtiva cultural do Estado, é formada por Luiz Felipe Botelho, Herika Araújo Vitoriosas, Carminha Lins e Cleonice Maria, sob coordenação de José Manoel Sobrinho. Os 20 premiados – da sociedade civil e do setor público – receberão troféu desenhado pelo designer Júnior Melo. Como contribuição à continuidade dos projetos, os 15 primeiros contemplados levam ainda o valor simbólico de R$ 1 mil, cada. Confira os vencedores:
1. Dança pra Criança com Tio Orun. De Orun Santana (Recife)
Trabalho voltado para os dias de isolamento, realizado com leveza e seriedade a partir de referências populares.
2. Tudo que Coube numa VHS: Experimento Sensorial em Confinamento. Do Grupo Magiluth (Recife)
Proposta criativa e eficiente de adequação de recursos digitais à estética do grupo, maximizando a conexão com a plateia dentro das limitações do distanciamento social.
3. Feteag Digital: Teatro Experimental de Arte – TEA (Caruaru)
Ampla e sólida variante digital de um festival internacional de teatro como alternativa de substituição ao Feteag (Festival de Teatro do Agreste), que acontece anualmente.
4. Casa Maravilhas: Teatro de Quinta versão virtual e outras ações (Recife)
Série de ações que marcaram o espaço da Rua Riachuelo, incluindo a realização de três trabalhos originais experimentando conexões entre linguagem teatral e recursos digitais.
5. Jessica Caitano: artista popular do alto Sertão (Triunfo)
Por sua intensa, inquieta, rica e expressiva atividade artística.
6. Ripa – Rede Interiorana de Produtores, Técnicos e Artistas de Pernambuco
Iniciativa de trabalho cooperativo entre grupos de várias regiões do Estado.
7. Grupo Em Canto e Poesia (São José do Egito e Recife)
Pelo trabalho de interlocução com cidades de Pernambuco.
8. Projeto No Meu Terreiro Tem Arte pelo Festival Chama Violeta (Ingazeira)
Série de propostas originais envolvendo vários níveis de participação de artistas e do público em um distrito no interior do Estado, com repercussão muito além desses limites.
9. Gean Ramos e a Música Indígena Pankararu Contemporânea (Tacaratu e Petrolina)
Além da divulgação da cultura Pankararu, possibilitou o contato e a troca de experiências com artistas de outras etnias do Brasil.
10. Movimento de Teatro Batendo Texto na Coxia (Recife)
Atuação permanente, consistente e propositiva, sobretudo na pandemia, diante das várias ameaças sofridas pela atividade artística.
11. Série Teia, do Coletivo Parêa (Recife)
Trabalho intimista de contação de histórias em vídeo, elaborado, realizado e veiculado na pandemia através do Youtube.
12. Canal Mata Cultural, de Pablo Dantas, na articulação e promoção da Zona da Mata Sul (Vitória de Santo Antão)
Trabalho que, através de redes sociais, promoveu debates político-culturais e levantou questões e esclarecimentos de interesse dos artistas daquela região.
13. Teatro de Fronteira, narrativas políticas, ações afirmativas e O Evangelho Segundo Vera Cruz (Recife)
Pelo trabalho voltado a temas LGBTQIA+, culminando com obra que aborda o contexto da peça “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, censurado em PE em 2018.
14. Centro de Criação Galpão das Artes (Limoeiro)
Por sua atuação incansável nos tempos da pandemia, sobretudo na percepção e proposição segundo as demandas da comunidade local.
15. Sated – Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão de Pernambuco Pela defesa e apoio ao Circo Popular Nordestino durante a pandemia.
16. Prefeitura de São Benedito do Sul (gestão 2020)
Pelas lives estruturadoras para além dos shows/entrevistas com diversos segmentos culturais, promoção artística e aplicabilidade da Lei Aldir Blanc.
17. Sesc Pernambuco
#CulturaEmRedeSescPE e pelo conjunto de políticas e projetos na área cultural.
18. Prefeitura de Serra Talhada (gestão 2020)
Pela aplicabilidade da Lei Aldir Blanc e pelo conjunto das políticas culturais do município.
19. Fórum Popular de Cultura de Petrolina
Organização autônoma de trabalhadoras e trabalhadores de Cultura.
20. Conselho Municipal de Políticas Culturais de Arcoverde
Pelas conquistas políticas em 2020.
Apresentado pela Prefeitura do Recife, com o patrocínio da Copergás, incentivo do Governo do Estado de Pernambuco através da Lei Aldir Blanc, o 27º Janeiro de Grandes Espetáculos tem apoio da Cia. Editora de Pernambuco (Cepe), Virtual Recife, TV Globo e Fundação Cultural Cabras de Lampião, parceria da TV e Rádio Universitária, Rede Interiorana de Produtores Técnicos e Artistas de Pernambuco (Ripa), Articulação e Movimento para Travestis e Transexuais de Pernambuco (Amotrans), Universidade de Brasília (UNB) e Conselho de Artes da Eslováquia. Com produção geral de Paulo de Castro, produção executiva da Fervo Projetos Culturais, Roda Cultural e Cordas Cênicas, numa realização da Apacepe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *