Entrevista com o pernambucano Divanildo Albuquerque, diretor Jaguar Land Rover Brasil

A Jaguar Land Rover comemora os 70 anos da Land Rover e a Jaguar se destaca como a marca que mais cresce no mercado premium nos últimos doze meses. O diretor da Jaguar Land Rover, Divanildo Albuquerque, pernambucano com mais de 20 anos de experiência no segmento automotivo, que nos conta sobre as estratégias que impulsionam o sucesso da montadora.

CLAUDIO BARRETO – Como iniciou sua trajetória profissional como executivo no segmento automotivo?

DIVANILDO ALBUQUERQUE  –  Iniciei minha experiência no segmento automotivo em 1995 em ​Recife, n​a GM. Recife é conhecida como sendo uma capital central​ no Nordeste e​ a grande maioria das mondadoras que possuem escritórios regionais fora do eixo Rio – São Paulo​ tem uma regional em Recife. Depois de ter passado por montadoras como a GM, International Caminhões e Toyota/Lexus, assumi na Jaguar Land Rover em 2011, ou seja são sete anos dos 70 que a Land Rover comemora em todo o mundo, incluindo no Brasil, onde é comercializada desde então​. A Jaguar, por sua vez, é a marca premium que mais cresceu no Brasil em 2017.

CLAUDIO – Quais benefícios o novo conceito de identidade baseado nos 3S (Sales, Service and Spare Parts) proporciona às concessionárias? A Jaguar Land Rover tem planos de expandir a rede de concessionárias no Brasil?

DIVANILDO –  Iniciamos em 2012 uma renovação na rede de concessionários de toda a América Latina, para mantê-los dentro da identidade corporativa da companhia. Isso significa dizer que todos os concessionários e seus pontos de vendas representam as marcas Jaguar e Land Rover num único espaço, que é composto de loja e áreas de reparos e estoque​. Isso oferece uma rede sólida e conhecida, com concessionários reconhecidos, e muita agilidade para os clientes em qualquer lugar do País. Basicamente, o nosso cliente, seja de Jaguar ou de Land Rover, pode escolher o carro, financiá-lo na hora da compra, obter pacotes de revisão e ter peças e acessórios acessíveis em um único lugar.

 

CLAUDIO – A marca pretende lançar novos modelos no Brasil até 2020 ?​

DIVANILDO –  Sim. Temos muitos lançamentos no calendário. Inclusive, a partir de 2020, todos os lançamentos da Jaguar Land Rover terão uma versão eletrificada à disposição dos clientes, seja com versões híbridas ou elétricas. Além de modelos totalmente novos e atualizações para oferecer ao mercado.

CLAUDIO – Como a Land Rover realizou a “mudança de status” de marca importada para marca com fábrica no Brasil? E quais fatores estimularam a vinda fábrica?                                                                                                                 

DIVANILDO –  ​A Land Rover fábrica no Brasil o Discovery Sport e o Range Rover Evoque. Os demais modelos da marca continuam sendo importados da Europa. A Jaguar Land Rover abriu sua primeira fábrica totalmente própria fora do Reino Unido no Brasil em 2016, na cidade de Itatiaia, RJ, por estar estrategicamente posicionada no centro dos principais mercados das marcas no País. O Brasil tem muito potencial, com um mercado de automóveis de luxo perto dos 2,5% do total, mas longe dos 10% que mercados emergentes como Rússia possuem.

CLAUDIO – O grupo precisa pensar em produtos que sejam globais. Como é agradar diferentes tipos de mercados? O gosto do brasileiro pode ser muito diferente do gosto do inglês, por exemplo.

​DIVANILDO –  Sim, é um desafio criar produtos que sejam aceitos em partes do planeta com cultura, hábitos e demandas tão diferentes. Contudo, temos uma gama variada de produtos, cujo ranking de aceitação pode mudar de mercado a mercado. Por exemplo, no Brasil o Range Rover Evoque é o modelo mais vendido da Land Rover, enquanto nos EUA é o Range Rover o modelo mais comercializado da marca. Além disso, costumamos trazer ao Brasil versões já ajustadas à demanda média do cliente deste mercado, ou seja, alguns veículos de fora possuem opção de câmbio manual e não são desejados pelos brasileiros, portanto não oferecemos essa opção aqui.

CLAUDIO – Estamos passando pela onda global dos SUVs e agora chega a onda dos eletrificados. Pode ser uma possível tendência global para o futuro, qual a sua visão?

DIVANILDO –  Não se trata apenas de uma tendência possível, mas de uma tendência real. Os carros elétricos já são foco de alterações de leis na Europa e EUA, por exemplo. ​Os clientes estão atentos para alternativas de combustível e a demanda por opções eletrificadas – híbridas ou totalmente elétricas – portanto precisamos ouvi-los e atendê-los.

CLAUDIO – A Jaguar Land Rover promete ter uma linha completa de híbridos e elétricos a partir de 2020. O Brasil estará preparado para atender a demanda? Não ter mais motores a combustão representa um desafio?

​DIVANILDO –  A Jaguar Land Rover vai oferecer opções eletrificadas, mas não substituirá totalmente um motor por outro, pelo menos não no primeiro momento. Por parte da Jaguar Land Rover, estamos já, neste momento​, trabalhando para modernizar a nossa rede de concessionárias. A tendência é real e todas as montadoras estão trabalhando em várias frentes para solicitar aos órgãos competentes a infraestrutura necessária para seus produtos e clientes.

CLAUDIO – Como a Jaguar Land Rover vê os autônomos? 

DIVANILDO –  A Jaguar Land Rover ​trabalha​ muito fortemente com grupos de empresas desenvolvedoras de tecnologia autônoma em várias partes do mundo, como EUA e Reino Unido. Deste modo, a empresa acredita totalmente nessa tendência, embora reconheça que ainda há um percurso de desenvolvimento tecnológico a ser percorridos. Tanto a Jaguar como a Land Rover entende que seus clientes buscam, respectivamente esportividade e capacidade todo-terreno.

CLAUDIO – O segmento de luxo historicamente aposta no alumínio como diferencial estético e de desempenho. Como se dá a presença do metal nos modelos do grupo atualmente?

​DIVANILDO – A Jaguar Land Rover é uma referência em carrocerias em alumínio. O Range Rover lançado em 2012 foi o primeiro SUV premium do mundo fabricado com esse tipo de material e tecnologia. O alumínio deixa o carro mais leve, portanto mais eficiente em uso de combustível, além de mais seguro e com menos torção.

CLAUDIO – Como a marca avalia o uso do alumínio como solução para atingir as metas relativas à eficiência energética tanto na Europa como pelo Inovar-auto no Brasil?

​DIVANILDO –  A eficiência energética é um tema mais amplo do que o da carroceria, embora a diminuição do peso total do veículo com a carroceria em alumínio seja fundamental. Hoje os modelos ​da Jaguar Land Rover ​estão todos dentro da legislação exigida nos países em que são vendidos.

CLAUDIO – Você pode citar três estratégias da Jaguar Land Rover para o mercado mundial para os próximos 5 anos?

DIVANILDO –  A estratégia da Jaguar ​Land ​Rover​está calçada em novos lançamentos, tecnologia e em atender e superar as altas expectativas de nossos clientes.

​A Land Rover comemora 70 anos em 2018, e desde sempre foi comercializada no Brasil também com um crescimento sustentável ao longo dos anos, provando que nossos produtos são estrategicamente planejados para realizar os sonhos de nossos clientes nessas sete décadas.

 

Entrevista exclusiva para a 46ª edição Terra Magazine

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *