Pacotes de viagens para períodos dentro da pandemia. O que fazer?

A crise do Coronavírus atingiu em cheio o setor de turismo. Diversas pessoas tiveram que adiar seus planos de realizarem a tão sonhada viagem. Uma coisa é certa: proteger vidas nunca foi tão importante. O resto é altamente negociável ou recuperável.

Mesmo assim, várias famílias ainda estão incertas do que fazer. Remarcar? Mas para quando? E quais as perdas com isso?

O advogado Thiago Lapenda, do Lapenda Advogados Associados explica que mesmo sendo algo recorrente neste período, a solução pacífica é possível. O advogado sugere que a pandemia pode ser um evento apto a afastar a Responsabilidade Civil. “Por tratar-se de um acontecimento atípico, não usual, que afeta a todos, há de ser tratado pelas partes com bom senso, buscando-se uma solução consensual entre fornecedor e cliente”, ressalta.

O advogado cita, a título de  exemplo, que as companhias aéreas têm remarcado, sem custo adicional, passagens aéreas. O mesmo procedimento pode ser feito com hotéis e demais equipamentos turísticos eventualmente contratados.

Lei sancionada- No último mês de agosto, o presidente Jair Bolsonaro sancionou lei sobre cancelamento de eventos e viagens no período da pandemia. Através do texto, as empresas de turismo e cultura estariam dispensadas do ressarcimento imediato aos clientes pelos pacotes contratados. Ao invés disso, as empresas poderiam remarcar os serviços ou oferecerem crédito para uso ou abatimento em outro serviço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *