Transformação digital é essencial em tempos de crise, afirma estudo da SBVC

Cultura organizacional é a principal dificuldade para a implementação da transformação digital.
Desenvolvido pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo) em parceria com Oasis Lab Innovation Space, a 2ª edição do estudo “Transformação Digital no Varejo Brasileiro” faz uma radiografia de como andam os investimentos em transformação digital, automação e treinamento dos funcionários que atuam nas empresas do varejo brasileiro, assim como ferramentas de inteligência artificial nos pontos de venda.
Entre as principais conclusões que o estudo identificou, é o aumento do faturamento em vendas (92%), ao fazer o investimento na Transformação Digital, segundo opinião dos varejistas entrevistados. Para as empresas do varejo, os investimentos em ferramentas utilizadas para a contribuição na transformação digital nas lojas físicas traduzem em redução dos custos gerais da empresa, e também em diferencial competitivo. Esses investimentos em T.D., segundo os varejistas entrevistados, resumem-se em média 0,39% sobre o faturamento bruto.

Ainda de acordo com a análise feita pela SBVC, 88% dos varejistas acreditam que líderes são co-criadores, e trabalham em parceria com seus funcionários. “Para verejistas e o mercado de consumo, o desenvolvimento e intensificação de uma cultura de co-criação entre funcionários e líderes se torna ainda mais importante nesse momento de Covid-19, que de alguma forma impacta e movimenta o ecossistema”. assegura Hélio Biagi, Fundador e CEO OasisLab Innovation Space.

Outro tema que têm atenção especial dos varejistas é o trabalho remoto, ou “home office”, que, em relação ao ano passado, houve crescimento significativo, passando de 23% para 62% das empresas que fazem seu uso. Em relação às principais ferramentas de T.D. utilizadas no atendimento ao consumidor, estão parcerias com start-ups, que segundo a 1ª edição do estudo, indicou-nos que a ação seria utilizada nos próximos 12 meses, e nesta edição, confirmamos o aumento dessas parcerias, passando de 20% (2019) para 39% (2020).
“Sem dúvida são conclusões reveladoras e que sugerem ação imediata das empresas. Num momento em que mudança cultural e de comportamento estão vindo à tona com a crise do Covid-19. As empresas estão precisando ser muito ágeis, trabalhar em squads, times horizontais, atuar remotamente e usar tecnologia para vencer os desafios e continuar operando. ”, afirma Eduardo Terra, Presidente da SBVC.

Metodologia
Para a avaliação, as empresas ouvidas foram divididas por faturamento: 39% delas tinham faturamento até 500 milhões; 12% com faturamento entre 500 milhões e 1 bilhão de reais e 50% com faturamento acima de 1 bilhão de reais. E representam os maiores players do mercado, de 10 diferentes segmentos do varejo, como moda, calçados e artigos esportivos, super, hiper, atacarejo e conveniência, lojas de departamento, artigos do lar e mercadorias em geral, drogarias e perfumarias, foodservice, livrarias e papelarias, eletromóveis, material de construção, óticas, jóias, bolsas e acessórios e outros segmentos.
O estudo está disponível no site: http://sbvc.com.br/2a-edicao-estudo-transformacao-digital-no-varejo-brasileiro-sbvc-2020/
Sobre a SBVC – Fundada em 29 de maio de 2014, a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) é uma organização sem fins lucrativos, aberta, multissetorial e com atuação complementar às demais entidades de classe do varejo. Sua missão é contribuir para o aumento da competividade do varejo, por meio de conteúdos e estudos de mercado, promovendo networking entre executivos do varejo de todos os segmentos. A entidade tem como objetivo defender os interesses do segmento e promover ações sociais. A SBVC é sustentada por quatro pilares fundamentais: Conteúdo, Relacionamento, Responsabilidade Social e Apoio Técnico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *