Uma experiência memorável com a Honda Gold Wing

Receber o convite da Honda para conhecer de perto a 7ª geração da “Honda Gold Wing” foi irrecusável. Uma moto ícone que, mais de quatro décadas depois do deu lançamento, desperta admiração, seja para cruzar grandes distâncias ou mesmo para roteiros próximos.

A estradeira da Honda é conhecida como a “rainha das estradas”, desejada por motociclistas do mundo inteiro. O design da nova versão foi amplamente reformulado, preservando as tradicionais características.

A ansiedade é forte para desbravar a estrada com a Gold Wing. E, antes de domar esse puro sangue, passei no Centro Empresarial da Honda, sediado na cidade de São Paulo, para receber instruções de Alfredo Guedes, supervisor de relações públicas da Honda Brasil, que explanou a história e os novos recursos tecnológicos da máquina.

“Disponível em duas versões, Gold Wing e Gold Wing Tour, ambas com o mesmo motor, mais potente e compacto e equipados com a mesma arquitetura de 6 cilindros boxer, 48kg mais leve que a anterior. O motor com 1.833 cc, 118 cv, torque de 17 gkf.m, cabeçotes de quatro válvulas acionados pelo sistema Unicam. Na gestão eletrônica oferece ao piloto quatro diferentes modos de pilotagem: acelerador eletrônico, controle de tração, assistente de partida em subidas e sistema Start&Stop. Essa versão vem com nova suspensão dianteira e traseira com ajustes eletrônicos, sistema ABS eletrônico e transmissão DCT, de dupla embreagem, e sistema de airbag (versão Tour). Os assentos continuam individuais para piloto e passageiro, a ergonomia é impecável e no ‘top box’ e nas protetivas malas laterais, há capacidade de transportar uma grande quantidade de bagagem – 110 litros, na versão Tour. Agora o piloto fica mais próximo do para-brisa, regulável tanto em altura como em inclinação, e um apurado estudo aerodinâmico permitiu melhorar não só o coeficiente aerodinâmico, visando melhor desempenho e eficiência, como dar a piloto e passageiro o conforto dinâmico digno de uma Gold Wing” explica Alfredo.

Depois de tudo explicado, chegou o grande momento de acabar com a ansiedade indo para a prática. Agora tenho que decidi qual o trajeto mais empolgante para que este momento seja inesquecível. A decisão foi unânime na minha cabeça, ficando 1% de passear nos bairros próximos ao hotel e 99% de desafiar uma manhã gelada em São Paulo com 10 graus de temperatura e com destino à cidade Campos do Jordão, região serrana, localizada a 200 km de distância, marcando um percurso de 3 horas de viagem, conforme o aplicativo Waze. Uma verdadeira aventura.

Equipada com sistema Smart Key (chave presença) com comandos de abrir as malas laterais que tem capacidade de 30L de espaço em cada lado, o suficiente para arrumar os objetos pessoais. O sistema de áudio e navegação é muito fácil de configurar no painel de tela TFT colorida de 7”. Possui bluetooth e sistema Apple Car Play. Dica: prepare uma boa playlist de músicas para curtir a viagem.

Antes de seguir caminho é preciso ajustar os recursos tecnológicos da nave para ter um maior conforto durante a viagem. O primeiro deles é o ajuste de posição do Riding Mode (Modo de Pilotagem), que tem a finalidade de distribuir a potência de frenagem nas duas rodas, que regula eletricamente a pré carga da mola/amortecedor traseiro; as opções de ajustes são: somente piloto, piloto e bagagem, piloto e passageiro, piloto, passageiro e garupa.

 

O percurso de ida e volta da viagem foi tranquilo e bastante confortável; toda aquela ansiedade de pilotar uma moto gigante pela primeira vez se transformou em prazer. O parabrisa com regulagem elétrica tanto em altura como em inclinação se mostrou, fácil de ajustar durante o roteiro; a máquina tem faróis full led, linhas aerodinâmicas, visual contemporâneo e alta tecnologia. Muito parecido como pilotar um carro de luxo, e afirmo que é mais confortável; junto a isso, a sensação de liberdade e segurança. Essa é uma das motos preferidas pelos entusiastas do mototurismo que não abrem mão do extremo conforto, desempenho e segurança.

No tempo previsto cheguei na linda cidade de Campos de Jordão, Serra da Mantiqueira, altitude de 1 628 metros, sendo portanto, o mais alto município brasileiro, com ruas estreitas e ladeiras íngremes. Passear com essa moto gigante foi divertido, com o sistema Start&Stop, função de ré e assistente de subidas em rampa dando um show de mobilidade.

Fico por aqui e até a próxima. Valeu Honda!!!!
Por Claudio Barreto, editor chefe da Terra Magazine
Publicado na 49º edição Terra Magazine -Caderno Dirija Auto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *