Artigo

É preciso internacionalizar para evoluir

Cada vez mais entendemos a importância de sermos, de fato, cidadãos do mundo, por várias razões e benefícios. Quer seja porque o mundo está cada vez “menor”; e mais conectado, quer seja porque está mais acessível o ir e vir entre os países, tornando o fluxo cada vez mais fácil. O fato é que este movimento é importante para aprendermos mais, entendermos melhor o que fazemos bem e o que precisamos aprender a fazer melhor. Sempre que posso, recomendo que as pessoas saiam do Brasil, vão conhecer outros países, independentemente do continente, pois sempre temos o que aprender. No mínimo, passaremos a enxergar melhor o nosso próprio país.

Quantas vezes é de fora do Brasil que percebemos nossos problemas e nossas falhas, que por tantas vezes já se tornaram nossa rotina e já não mais as percebemos? Nós nos acostumamos com o ruim e com o bom. Logicamente, também são nestes momentos em que valorizamos o que temos de bom, por menor que seja: nossa peculiaridade, nosso clima, nosso jeito de nos relacionarmos. Independentemente disso, sempre que tiver a oportunidade, vá para fora deste nosso lindo Brasil e nos veja de lá! E perceba o quanto aprendemos com isso. Obviamente, volte!

No âmbito da educação, isso vale ainda mais. Participar de uma “graduação sanduíche”, ou ainda fazer uma imersão de idiomas no exterior, é uma experiência que deveria ser obrigatória no processo de formação. Existem várias oportunidades e empresas que fazem esse trabalho, é verdade. Entes públicos já promoveram e promovem ações em que estudantes de instituições públicas de ensino ganham o mundo para terem uma formação cada vez melhor. Acompanhei e conheci vários desses projetos e vi de perto o impacto, a mudança de comportamento e de visão de mundo.

Mas também é importante receber esses estudantes e profissionais estrangeiros, fazer o caminho contrário. Não vemos tantos programas para receber e apresentar aos outros países do mundo nossas instituições de ensino, nossas importantes empresas e nossa gestão. Mostrar ainda criatividade brasileira, a nossa “cor”, nossa tropicalidade. É preciso desenvolver cada vez mais essa possibilidade em nossas terras tropicais, por que não? Seria nossa “síndrome de vira-lata” que não nos faz pensar nisso? Que acha que o bom só está lá fora? Não creio nem espero que seja verdade. Temos muito a mostrar, afinal ainda nos orgulhamos muito de ser brasileiros.

Quem sabe não podemos e devemos criar programas para receber estrangeiros em nossas instalações, conectando-os aqui em nosso clima quente, com nossos polos de tecnologia e criatividade, mostrando a eles como sobreviver na adversidade, imersos na cultura tão própria de nosso povo? Isso também é internacionalizar! Agora é internacionalizar nosso país!

Como profissional que trabalha no processo de internacionalização das empresas há mais de 20 anos, penso sempre neste outro aspecto. Vejo as potencialidades locais nossas, comparo as empresas e produtos que conheço fora do Brasil com os nossos… E posso dizer que não deixamos a desejar em nada. Como diz um amigo, Alexandre Noronha, em seu livro “Pontes para o Mundo”: “Interagir com o mundo não é mais uma questão de oportunidade, é uma questão de necessidade!”

*Gustavo Delgado é Consultor de comércio exterior e de internacionalização de empresas, Diretor de inovação da ABDAEX, Coordenador de MBA em Comércio exterior e Coordenador dos cursos de Gestão da UNIFBV.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *