A Beleza masculina requer um lindo sorriso

Veja como cuidar te da beleza masculina, diz pesquisados dentes com essas dicas – e por que cada vez mais executivos estão procurando clínicas de estética bucal

Sabe a história da primeira impressão – aquela de uma fração de segundo – ser a que fica? Pois bem, o sorriso é um grande responsável por essa boa impressão. De acordo com uma pesquisa realizada na Universidade de Brasília, em parceria com a Universidade Federal de Goiás, o sorriso é o componente de maior impacto em rostos masculinos, contribuindo com 38% da beleza percebida no rosto. Em seguida vêm olhos (14%), queixo (9%) e nariz (2%).

O segredo? Sorrir. Com os rostos sérios, os números mudam. Neles, a maior contribuição para a beleza é dada pelos olhos, com 22%, seguidos pela boca, com 18%, e por queixo e nariz com, respectivamente, 8% e 2%. Segundo a dentista Virna Patusco, coautora do estudo, boca e olhos exercem esse importante papel porque são os principais centros de comunicação da face. “Pelos olhos é possível perceber, por exemplo, se alguém está concentrado ou com raiva. Pela boca e sorriso são manifestadas emoções positivas, como alegria, amizade, simpatia e sociabilidade”, diz.

Segundo o pesquisador colaborador do programa de Pós-Graduação em Odontologia da UnB, Jorge Faber, “o objetivo do estudo não é reforçar padrões de beleza, mas dar respaldo científico a profissionais de saúde. “É importante que os tratamentos estéticos e terapêuticos não estejam baseados na intuição ou bom senso do profissional, mas contem com tomadas de decisão embasadas cientificamente e pacientes sempre muito bem esclarecidos”, afirma.
Ele explica que a pesquisa reuniu 86 homens, de 19 a 30 anos. Foi pedido aos participantes que sorrissem enquanto suas faces eram fotografadas frontalmente, seguindo sempre o mesmo padrão de cores e posições. Além da foto completa da face, foram produzidas imagens com recortes padronizados dos subcomponentes faciais a serem analisados – como olhos, nariz, boca e queixo.

Estética ou saúde?
O assunto vem chamando atenção de executivos brasileiros que, hoje, aquecem o mercado de beleza e de estética. A previsão para 2019, segundo a Euromonitor Internacional, é que o setor de beleza masculina deve crescer 7,1%, quando o Brasil deve se tornar o maior mercado do mundo na categoria, movimentando US$ 6,7 bilhões em vendas. Já o atual maior mercado no segmento de beleza masculina, os Estados Unidos, deverá movimentar US$ 6,4 bilhões em vendas em 2019, caindo para a segunda posição.
De acordo com dr. Marcelo Kyrillos, sócio-diretor do Grupo Ateliê Oral, em São Paulo, os casos mais comuns de homens que procuram a clínica são por questões estéticas. O número mais expressivo é o de executivos, que aumentou em 15% nos últimos dois anos.
“Os homens nos procuram porque querem mudar o formato dos dentes, querem ter um sorriso que tenha um encaixe mais adequado com o formato do rosto, dos lábios. Existe uma grande procura por mudar dentes amarelados, tortos, dentes com diastemas ou dentes gastos por conta de uma erosão ácida (condição na qual o dente perde volume de esmalte e, quanto isso acontece, ele fica mais amarelado e com tamanho menor). Mas saúde, na maioria das vezes, está relacionada a problemas estéticos. Por exemplo, se um paciente tem um espaço aberto entre os dentes pode ser porque ele tem uma mordida errada ou uma mordida cruzada. Ou perdeu um dente no fundo que desencaixou a mordida, forçando os dentes da frente de forma errada, que se movimentaram e entortaram”, explica Kyrillos.

Tratamentos estéticos mais realizados
Os tratamentos mais realizados são a modificação da forma e da cor do dente. “Por meio das lentes de contato, por exemplo, conseguimos devolver o tamanho, o formato, o arranjo, cor, textura, brilho. Mas, hoje, a ortodontia nos auxilia muito corrigindo a posição da mordida, a posição da arcada, com aparelhos transparentes como o Invisalign ou com aparelhos ortodônticos com mini placas. Se o paciente vai ao dentista para fazer estética e os dentes não estão na posição ideal, e o profissional parte para a realização da estética sem uma ortodontia previa, ele vai precisar ser um pouco mais agressivo nos desgastes para colocar tudo no seu devido lugar. Essa prática não é mais recomendada. É muito importante que os odontologistas tenham a consciência de realizar o benefício estético que o paciente procura, tratando a saúde em primeiro lugar”.
A dica principal para manter o sorriso em dia é evitar danificar os dentes, para não precisar de um tratamento posterior para corrigir. O maior vilão da saúde bucal atualmente é a acidez. “Estamos fazendo, cada vez mais, uso de alimentos e produtos com alto índice de acidez, como refrigerantes, bebidas energéticas, frutas ácidas e sucos de frutas naturais ou industrializados. O número de casos, sobretudo de pacientes na faixa etária de 20 anos, com erosão dentária subiu cerca de 20% na clínica, ao contrário de anos anteriores nos quais era percebido o desgaste somente em pessoas de idade mais avançada”.

Dicas para o sorriso perfeito
O especialista dá algumas dicas para prevenir a erosão ácida e manter os dentes naturalmente belos.
1. Evitar fazer refeições com alto índice de acidez e escovar os dentesimediatamente. É indicado esperar 30 minutos para escovar os dentes depois de consumir ácidos, evitando, assim, a ação abrasiva das pastas dentais na superfície ainda amolecida do dente.
2. Também evitar consumir bebidas ácidas antes de dormir, quando os efeitos protetores da saliva estão reduzidos.
3. Se a pessoa puder fazer uma placa de proteção para dormir ou para quando estiver na academia. Isso vai fazer com que o dente não perca volume de esmalte na academia ou durante o sono, por conta da acidez. Essa proteção dos dentes é muito importante para prevenir o grande malefício de perda de volume de esmalte.
4. Higiene. O uso do fio dental e a escovação correta vão ajudar a prevenir a pigmentação, o manchamento dos dentes e inflamações de gengiva.
5. Um alerta é que a gengiva não deve sangrar jamais. Se tem gengiva sangrando, tem alguma doença.
6. Se a pessoa tiver a oportunidade de ir frequentemente ao dentista fazer uma revisão da saúde, esse hábito ajuda a descobrir se tem alguma cárie iniciando, ou a gengiva sangrando, ou algum dente sofrendo uma erosão e contribui para a prevenção dos danos ao sorriso.
7. Pensando mais na saúde do que na estética, o dentista pode, dependendo da situação, colocar um aparelho para distribuir melhor os dentes na arcada. Com isso, a mordida fica mais eficaz, evitando que os dentes fiquem apinhados – o que, principalmente nos de baixo na parte da frente, é muito comum quando envelhecemos e perdemos massa óssea.

Repaginada bucal
O vice-presidente de negócios da Jus Brasil, uma das Lawtechs mais proeminentes no mercado, Marcio Manincor, defende que, quem passa a impressão de ser uma pessoa feliz tem uma vantagem competitiva sobre quem não sorri, ou não demonstra confiança, mesmo que os dois tenham os mesmos conhecimentos técnicos. Márcio acabou de fazer um tratamento com facetas de porcelana, que levou dois meses entre a primeira consulta para estética e o resultado final.

Já o advogado João Carlos de Lima, 49 anos, buscou melhorar a saúde do sorriso considerando que a expectativa de vida aumentou. “Faz sentido buscar tratamentos que vão proporcionar saúde e estética se pensarmos que, nos próximos 30 anos, ainda estaremos no mercado de trabalho. Antigamente, quando se chegava na minha idade, era comum o pensamento de aceitar a perda dentária ou uma dentadura para resolver o problema”, conta Lima, que é responsável por coordenar a equipe de uma family office.

Para o chef de cozinha, Edmundo Campello, 44 anos, o fato de o mercado empregar quem tem boa aparência mostra um preconceito implícito na sociedade. “Colocar aparelho metálico na minha idade era inconcebível. Ficaria horroroso e estranho hoje em dia. A única opção aceitável para consertar os dentes foi um alinhador transparente”, conta Campello, que usou o alinhador por oito meses, e já se prepara para novas correções. Segundo estudo da Associação Paulista de Ortodontia, houve um aumento de 40% nos últimos dez anos, no número de pessoas com idade superior a 30 anos usando aparelhos.

Quem também passou pela cadeira do consultório e precisou até realizar uma cirurgia, recebendo elogios dos colegas de trabalho, foi o vice-presidente de Operações da Sociedade Brasileira de Coaching, Luis Vechiato, 45 anos. A intervenção em problemas de simetria facial, que interferiam na qualidade do sono, melhorou seu rendimento no trabalho. “Eu tinha o problema do ronco, e acordava de hora em hora durante a madrugada”, conta o VP que, após a cirurgia, passou pelo procedimento das lentes de contato dentais para a uniformidade do sorriso.

João, Edmundo, Márcio e Luis fazem parte dos 35% da população brasileira que possuem alguma disfunção na engrenagem bucal que exige tratamento, segundo dados do Ministério da saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *