Abril Marrom: IOR alerta sobre prevenção da cegueira

 

Ação conscientiza a população sobre a prevenção, o combate e a reabilitação da cegueira

 

Até o final do mês, o Instituto de Olhos do Recife (IOR) faz um alerta para a prevenção, o combate e a reabilitação da cegueira. Apesar do isolamento total na luta contra a pandemia de Covid-19, outros aspectos de saúde não podem ser esquecidos, dentre eles, a saúde ocular. “O Abril Marrom é uma oportunidade de chamarmos a atenção da população e das autoridades para a necessidade do acesso universal à saúde ocular e ao exame oftalmológico, que são fundamentais para a redução de casos de cegueira no Brasil e no mundo”, explica o oftalmologista Roberto Galvão Filho, especialista em catarata, refrativa e glaucoma no IOR.

O número de casos de cegueira que poderiam ser evitados é alarmante. Para se ter uma ideia, em seu primeiro levantamento global sobre o tema, a Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou que aproximadamente 2,2 bilhões de pessoas vivem nessa condição. Divulgado em outubro do ano passado, o Relatório sobre a Cegueira mostrou que até 50% dos casos acontecem por não serem tratados a tempo. “O problema é que muitas pessoas ainda resistem a procurar o oftalmologista, deixando para fazê-lo só quando sentem algum incômodo na visão. Isso é grave, porque muitas doenças são assintomáticas, enquanto outras se manifestam já em estágio avançado”, explica Galvão Filho.

Por isso – mesmo em tempos de pandemia – o Abril Marrom é uma ação indispensável. “Necessitamos salvar a visão de milhares de pessoas, alertando-as para a necessidade de consultar periodicamente o oftalmologista. Boa parte das doenças oculares têm tratamento e as que não têm cura, como o glaucoma, quando tratadas no início, podem ser controladas”, comenta o médico.

GLAUCOMA – Uma das principais causas de cegueira irreversível no mundo, o glaucoma, normalmente, não apresenta sintomas, sendo associado ao aumento da pressão intraocular. “É necessário ir anualmente ao oftalmologista, porque se o diagnóstico do glaucoma for tardio e o tratamento não for realizado logo no início a cegueira é inevitável”, explica Galvão Filho.

Apesar de ser uma patologia grave, a maioria dos brasileiros ainda não a conhecem. Pesquisa realizada, em 2018, pela Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG), apurou que 40% dos entrevistados sequer conhece a enfermidade. Ainda segundo a SBG, o glaucoma atinge cerca de 2% dos brasileiros acima dos 40 anos, resultando em cerca de um milhão de pessoas. Os dados também revelaram que aproximadamente 50 milhões de brasileiros nunca foram a um oftalmologista.

RISCO – Quanto aos fatores de risco, Galvão Filho alerta que pessoas acima de 40 anos e com histórico de glaucoma na família, hipertensos e diabéticos, bem como aqueles com alto grau de miopia e pressão ocular elevada têm mais chance de desenvolverem a doença.

O glaucoma é uma doença silenciosa, o que prejudica o diagnóstico precoce. Portanto, a única forma de evitar suas consequências é ir ao oftalmologista e fazer exames de rotina. “Hoje em dia não existe mais idade certa para consultar o oftalmologista. O que preconizamos é que haja um acompanhamento. Se houver fatores de risco, mesmo na infância, é interessante que o paciente seja avaliado regularmente”, orienta o médico.

As formas de tratamento do glaucoma são variadas, principalmente com colírios, laser e cirurgias. “Usamos colírios que controlam 85% dos casos. Quando isso não funciona, o paciente é submetido a uma cirurgia com laser ou tradicional, que tem altos índices de sucesso”, revela Galvão Filho.

 

Serviço:

Abril Marrom – mês de prevenção, combate e reabilitação da cegueira

Dr. Roberto Galvão Filho

Instituto de Olhos do Recife

Teleatendimento: 2122.5000

www.ior.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *