Dicas para o Enem: saiba como otimizar tempo na hora de resolver as questões

A prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) está chegando. Nos dias 21 e 28 de novembro os estudantes estarão concorrendo à vaga na universidade. Para ajudar os vestibulandos, professores do Colégio Motivo separaram dicas de como realizar a prova. 

Por onde começar? Para o professor de redação Mário Sérgio, a redação deve ser o primeiro passo a ser lido na prova. “Costumo dizer que, ao abrir a prova, o aluno deve, primeiramente, ler a proposta de redação e os textos de apoio para refletir sobre a problemática, as teses, os repertórios que configuram a estrutura. Constatada a temática e as ideias que a comporão, cabe ao aluno produzir a dissertação ou redigi-la entre as provas de Humanas e Linguagens. Jamais para o final”. “Particularmente, sugiro que, após a leitura da proposta, seja feita a prova de Humanas, que traz reflexões geográficas, filosóficas, sociológicas e históricas cujo teor pode não só inspirar, como também ser aplicado à própria redação”, completa Mário.

Durante a realização do exame, o professor de física, Antônio Lorena, indica a fazer as questões na ordem que deixa o candidato mais confortável. “Uma estratégia muito eficaz é começar pela área de conhecimento de maior afinidade, focando a priori nas questões com enunciados e alternativas curtas, pois geralmente são as questões que exigem menor esforço mental.”

Rascunho: segurança ou perda de tempo: Mário afirma que a organização das ideias é o ideal. “Procuro dizer que ao rascunho precede o planejamento. O candidato deve, antes do rascunho, selecionar ideias e decidir como elas comporão as partes do texto (introdução, desenvolvimento e intervenção). A ideia é evitar que o rascunho seja feito às cegas. Muitos consideram que ideias surgirão em paralelo com a escrita. Não aconselho. Planejamento, rascunho e texto final. Essa é a ordem.”, explica.

Dicas para Redação: O professor de redação aconselha realizar três ações: Reler produções feitas pelo aluno ao longo do ano; pesquisar sobre temas mais relevantes e ler sobre temáticas que não são do domínio do candidato a fim de evitar surpresas na hora da prova.

Tempo para cada questão: O professor de física explica que “o tempo durante a prova é preciosíssimo. Diante disso, uma recomendação muito importante é treinar muito o tempo de resolução. É quase que impraticável calcular o tempo de cada questão, uma sugestão é resolver provas de exames anteriores e cronometrar o tempo total da prova, tentando sempre deixar um tempo de, no mínimo, 15 minutos para marcar o gabarito. Isso ajudará muito a diminuir a ansiedade na hora do exame”. 

Humanas: Assuntos mais recorrentes: O professor de história, Filipe Domingues, fala que alguns temas são mais frequentes na prova como cidadania grega, o cristianismo, o islamismo e judaísmo, escravidão greco-romana.Filipe ainda explia que é necessário ”sempre buscar um diálogo entre o passado e o presente, e ter consciência de que a prova é interdisciplinar”.

Filipe ainda dá uma dica para ajudar o vestibulando a não perder tempo. “Não ficar preso na questão que o aluno está se atrapalhando, se tá demorando, passa, para matar logo as mais fáceis”. Além disso, o professor diz que é importante grifar e escrever durante a realização do exame. “Prova bonita é prova rabiscada. Sabe que a letra B está errada, escreve. Para quando voltar na questão não precisar reler a questão, vai grifando as palavras chaves, não tenha pena de riscar a prova”, explica. 

Tranquilidade na hora da prova: O professor de física traz algumas dicas para a realização da prova de forma tranquila: “Tratando-se do quesito saúde física, recomendamos que, na semana da prova, inclusive no dia, o aluno mantenha uma alimentação equilibrada, evitando possíveis exageros que possam acarretar em complicações. Já no quesito saúde emocional, uma dica muito valiosa é buscar sempre o apoio de um profissional da psicologia antes do exame. O Colégio Motivo, por exemplo, oferece esse suporte desde muito cedo, descobrindo e, assim, solucionando algumas causas dessa inquietude durante a realização de alguma prova”, explica. 

Já para o professor de história, é importante não deixar passar o nervosismo da família para o vestibulando. “Quase sempre painho e mainha estão nervosos, saber que esse nervosismo é amor e ter a consciência de que fez um bom ano e que vai ser contemplado sim, que tá preparado sim”, detalha Filipe.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *