“Setembro em Flor” alerta para os cânceres que acometem o sistema reprodutor feminino

 

Câncer do colo do útero é o terceiro tumor maligno mais frequente entre as mulheres

O câncer de mama, o mais prevalente entre as mulheres no Brasil e no mundo, possui seu mês de conscientização, o “Outubro Rosa”, mas outros tumores que também atingem as mulheres em números preocupantes precisam de igual atenção. Por esta razão, o Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA) promove esse ano a campanha “Setembro em Flor”. O grupo traz uma campanha representada pela delicadeza de uma flor, onde cada pétala representa um tipo de tumor ginecológico, para conscientizar o público feminino sobre a prevenção e o diagnóstico precoce de cânceres ginecológicos. As pétalas se referem aos tumores do colo do útero, ovário, corpo do útero, vulva e vagina. Como muitas mulheres não apresentam sintomas no início dessas doenças, as visitas anuais ao ginecologista e a realização de exames como o Papanicolau são fundamentais.

Identificado pelo exame conhecido como papanicolau, o câncer de colo do útero tem como principal fator de risco a infecção persistente pelo papilomavírus humano (HPV), que pode ser prevenido com uma vacina que está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para meninas entre 9 e 14 anos, meninos entre 11 e 14 anos e para aqueles que convivem com HIV ou câncer ou são transplantados. Além da imunização, o rastreamento para identificar lesões precursoras do tumor constitui estratégia importante para o controle desta doença. Esse rastreamento é feito através do exame papanicolau, também conhecido como preventivo, que deve ser realizado na faixa etária de 25 a 64 anos entre as mulheres que já iniciaram a vida sexual assim como por homens trans e pessoas não binárias designadas mulheres ao nascer. Mesmo as mulheres vacinadas devem passar pelo exame preventivo periodicamente, pois a vacina não protege contra todos os tipos oncogênicos do HPV. “Tão importante quanto realizar o preventivo é pegar o resultado e apresentá-lo ao médico solicitante para receber instruções”, frisou a oncologista Renata Cangussu.

Boa parte das mortes por câncer do colo do útero ocorrem em mulheres que não haviam sido rastreadas com regularidade. A estimativa mais recente deste tipo de câncer aponta a ocorrência de 16.590 novos casos por ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Entre os fatores de risco, destacam-se o início precoce da atividade sexual e múltiplos parceiros, o tabagismo e o uso prolongado de pílulas anticoncepcionais. A doença, que não apresenta sintomas na fase inicial, pode evoluir para sangramento vaginal intermitente (que vai e volta) ou após a relação sexual, secreção vaginal anormal e dor abdominal associada a queixas urinárias ou intestinais nos casos mais avançados. Para o diagnóstico, podem ser utilizados exame pélvico e história clínica, papanicolau, colposcopia e biópsia. Entre os tratamentos para o câncer do colo do útero estão a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia. O tipo de tratamento depende do estágio de evolução da doença, tamanho do tumor e fatores como idade da paciente e desejo de ter filhos.

Outros tumores ginecológicos – O câncer de ovário, segunda neoplasia ginecológica mais comum, é mais letal que o de mama porque, geralmente, é detectado em estágio avançado por ser um tumor silencioso, de difícil rastreio. À medida que o tumor cresce, pode causar pressão, dor ou inchaço no abdômen, pelve, costas ou pernas; náusea, indigestão, gases, prisão de ventre ou diarreia e cansaço constante. Entre os fatores de risco estão: idade superior a 40 anos, histórico familiar, não ter tido filhos ou ter sido mãe após os 30 anos, excesso de gordura corporal, uso contínuo de reposição hormonal. A doença pode ser tratada com cirurgia e/ou quimioterapia a depender do momento em que é feito o diagnóstico. A estimativa de novos casos no Brasil, segundo o INCA, é de 6.650 por ano.

Já o câncer de corpo do útero ou de endométrio, tecido que reveste internamente a parede uterina, é mais comum em mulheres na menopausa. Engravidar, praticar atividade física e manter o peso corporal saudável ajudam na prevenção. O sinal mais comum de câncer de endométrio é o sangramento vaginal fora do período menstrual. Cirurgia, radioterapia e quimioterapia podem ser utilizados para tratar a doença. A estimativa para 2020 foi de 6.540 novos casos por ano.

Raros, os cânceres de vagina e de vulva são responsáveis por 7% dos tumores ginecológicos. O controle desses tumores é mais fácil quando a doença é localizada, ou seja, não se disseminou para outras partes do corpo. Já o câncer de vulva ocorre predominantemente em mulheres de 65 a 70 anos e geralmente se apresenta como uma úlcera. Em ambos os tipos de tumores também temos como uma das causas a infecção por HPV.

Todos os tipos de tumores ginecológicos são silenciosos, ou seja, assintomáticos em estágio inicial. Por esse motivo, um enfoque maior deve ser dado às estratégias de prevenção primária como vacinação completa contra HPV e estímulo de hábitos de vida saudáveis, assim como prevenção secundária, especialmente no caso do câncer de colo uterino. Junto a essas medidas, o acompanhamento anual com ginecologista é indispensável, frisou a oncologista Renata Cangussú.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *